terça-feira, 11 de março de 2008

livres

sublime estranho
olhar opaco
espero seu tempo
seu peito
seu respeito
seu abraço
sem laço
esse amasso
seu sim

encontro perfeito
toque gentil
sem jogos
sem tramas
sem dramas
na cama
no carro
te esbarro
te agarro
sem amarras
só taras
e tardes na lagoa
sem fim

na esquina da vida
em copa ou na urca
sem medo
sem culpa
mão na nuca
na coxa
eu roxa
de vontade
de você

livre doçura
grisalha loucura
intangível masculino
apalpável feminino
aceito o ensino
do deleite da saudade
aprendo de verdade
como é viver

apenas te peço
doce afeto
um pedaço da vida
mas aceito a ferida
que acompanha o destino
que desenha seu ser

te guardo pra sempre
no meu travesseiro
em cada sonho
enfadonho ou bendito

mas grito:
me faz te entender!

segunda-feira, 10 de março de 2008

Eu queria

sua experiência
seu afago
sua paciência

sua prudência
o seu lado
sua presença

arrebatadoramente
me entregaria
infinitamente
amaria

você

quarta-feira, 5 de março de 2008

anxia

eu quis me perder
nos seus olhos maduros
ousei precisar de seus braços
sentir seu afago
sem precisar do seu toque

eu desejei seu colo amigo
dedos passeando pelo meu rosto
num final de tarde
numa praia campestre
num vestido verde florido

aguardo com ternura
pedaços da sua vida
e quem sabe....

alguns do seu coração.

a luz

você me ensinou
o que de mais lindo existe em mim
abriu meus olhos pra uma vida
gostosa e calma
ao seu lado

você me cativou
com sua imensa dependência
insistência em me amar
ainda que descontrolada eu gritasse
e não quisesse você
ao meu lado

você me completou
no sentido mais amplo da palavra
com seus serenos olhos verdes
suas aparições no meu quarto no meio da noite
e seu beijinho de pirulito

terça-feira, 4 de março de 2008

meu dia...

meu doce sadio...
minha fuga, meu êxtase
na redação
meu pó, meu ópio
minha droga mais viciante

abstinência de estar em casa
longe da minha mesa
meu bloco, minha caneta
minhas anotações, números e setas

minha agenda.... ah, meu bem...
meu caso, meu amante mais fiel
alegria de chegar em casa as onze da noite
com a filha dormindo
com o corpo cansado do dia...

Mas nunca cansada do Dia...