quinta-feira, 10 de abril de 2008

A queda

Você me deu o melhor dos presentes
que alguém poderia me dar
Enfiou o dedo numa ferida escondida
há muito tempo
E o que me resta agora
é sarar todo esse puz

Seu presente, o tangível,
me leva por onde o amor passou
Não esquecerei jamais
os lugares, cheiros, passeios, beijos
Tudo isso está dentro de mim,
clareando o caminho pra eu me buscar

A saga atrás de mim mesma,
para achar o que de bonito você viu
Vasculharei o passado, o doído, o caminho
Pra voltar mais forte e mais fraca

Começo hoje minha procura pelo mundo dos anjos
Daqueles que, flutuando, entram nas vidas e nos sonhos
Desabam com toda sua intensidade,
em cima do corpo marcado

Nenhum comentário: