domingo, 3 de maio de 2009

um fim

minhas escolhas erradas, perdidas
reflexo do meu eu, sem 'seu', sem nós
incapacidade envolvida

meu lindo, diferente, pensante
derordenado, confuso, como não te amar?

nos meus braços retiro seus pavores 
suas inseguranças e preocupações 
vasculho pelo medo de nós, emaranhado de sós
desventurado, desgraçado.

tenta sem fim 
tirar de mim
esse amor com medo de chorar
abraços impressos em minhas costas

não me deixa partir 
descrente do amor 
que ainda está por vir
do beijo que desata
do toque me reparte
da falta que sinto 
do seu jeito 
seu peito
dos seus braços
seus traços

ainda procuro um jeito
de te esquecer e te apagar de mim
procuro no começo
um fim

Nenhum comentário: