sexta-feira, 31 de julho de 2009

palato

minha amargura de serralha
destoa nesse mar de cheesecake
um verde sem graça
meio pálido
quase esquálido
sordidamente sozinha nessa sexta-feira






invejo as misturas de sabores
e o vermelho escorrendo pelo branco
percurso sensual quase apaixonante
que me entorpece









desejo o doce, o brando, o terno
quase que cobiço o deleite
com minha psicótica saliva
urrando pelas cores do amor

verdade velha
groselha

tende piedade da minha língua

2 comentários:

Zahar disse...

Admiro-lhe. Você escreve extraordinariamente bem, parece que a "tinta" deste texto foi mesmo a tua psicótica saliva. E já te falei da tua rara sensibilidade?

Moura disse...

Já, André Zahar. Já sim.

=)