terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

negação

não quis, não soube.
foi rápido demais para tomar uma decisão ponderada,
rápido demais pra mim.

não se esolhe caminhos com essa facilidade
com o barulho ensurdecedor do ponteiro de segundos
alfinetando minha alma...
embaixo das unhas, nos olhos
lascerando tudo que vem pela frente

uma semana
e tudo mudou

não.
com certeza não tive certeza.
certamente o que fiz não foi certo.
nego a ação, aceito a dor.
sinto o gosto salgado de lembrar da vida.
o gosto amargo de lembrar da morte.
Sinto... sinto
muito
sinto muito,
mesmo.

sinto a carne aberta, sangrando
todos os dias, várias vezes

junto com a dormência do cinza
e só dormir me alenta

recuso-me a melhorar
escolho sofrer
já que somente a dor me traz pra perto
do meu anjo...

nego.

domingo, 7 de fevereiro de 2010

só ele

menino-garoto... irresistível
sereno, sensível
calmaria morena
charmoso que só ele
e só ele
tem o meu carinho

gatinho arisco
às vezes me lambe,
às vezes se esconde
me fita com gosto
e eu gosto
do sabor da sua pele
da singularidade do seu músculo

dos seus braços... me fechando
dos seus lábios... me beijando
dos seus beijos... me parando
e só ele
tem o meu tesão

nossos momentos, cores
saudável mistura
tua distância, minha loucura
me encanta
me tortura

mais uma vez
meto os pés pelas mãos
não sem motivo
mas por pura paixão
porque só ele
tem meu coração

pêndulo apaixonante
querido...
ficante...
fica um pouco mais
deita na minha cama
sorri com os olhos
esfrega sua barba em mim
de olhos fechados
enquanto desenho suas covinhas
um ângulo perfeito
que emoldura o foco do seu rosto
na minha mente


me deixa ser só dele?
porque só ele
me tem.