quinta-feira, 16 de setembro de 2010

frequência constante





















as vezes a felicidade é tão grande
que não cabe direito dentro da gente
o sorriso foge do rosto
e segue com o olhar pra longe

as vezes a gente se sente completo
mesmo que fisicamente sozinho
porque no fundo, dentro da gente
sabemos que o nosso ninho tá lá
à espera da moça morena, pequena
que tudo quer dar e tudo quer receber...

as vezes o amor domina
e a gente irradia luzes pisca pisca
a vontade que dá é de escrever na parede
cantar pela rua
e viver nesse beat acelerado
frenético de êxtase natural

Que a frequência seja constante enquando dure.

Um comentário:

Raquel Castro de Medeiros disse...

dá pra sentir o frenesi. Gostei! escreva mais e mais
beijos