sábado, 15 de outubro de 2011

suavidade

amor calmo
brisa salgada, janela adentro
amor suave
a língua de tesão, toque de tormento
amor pacificado
sem pressa, sem linha de chegada
amor inocente
incessante, incansável, inebriada
amor permitido
de sim e não, aqui e acolá
amor sincero
amor... amor...

seja bemvindo, novo amor.


quarta-feira, 6 de julho de 2011

você me fez

apenas você.

quando eu existi,
apenas você me quis
apenas você me embalou
e você sozinha, me fez.

quando eu caí
você me afagou
e quando eu errei
você me escondeu do mundo
e me protegeu
você chorou minhas lágrimas
e ficou ao meu lado.

quando eu vivi
você me aconselhou,
mesmo quando eu não quis
e você ouviu o meu sussurro
e o meu grito
e quando eu saí...
você sempre esteve.

quando eu cresci
você me deu a mão
me olhou com ternura
e tratou com candura
a pessoa que você criou.

o mundo inteiro
o amor primeiro
o chamego agueiro
e você

me fez... filha.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

voo

















enfim
a magia se desfez
eu te encontrei outra vez
e nada senti

finalmente

percebi que passou
e o que restou
foi o que eu vivi


então voei

quarta-feira, 6 de abril de 2011

(quase)





















mais um ano
(quase) concluído
de vitórias e derrotas
entre pedras, tropeços
lamentações
vivi emoções puras
de todas as cores e sabores
e amei todas

(quase) um ano de crescer
de arrancar, sofrer, chorar
menos um apêndice, menos um pedaço
mais susto
menos bagaço

um ano (quase) completo
de puro afeto
de juras, alegrias e amarguras
de promessa cumprida
de amor surpresa
plena beleza
em Gramado
ou no pátio, na casa da mãe
com saliência, com demência
acima de tudo
com verdade.

um ano, (quase)
sozinha e junto
foi tanta coisa
que até me confundo
independência, estranhos amigos
férias românticas
ou solitárias...
qual a diferença?

em um ano, enfim (quase),
de mim

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

a felicidade

a felicidade
de se achar
de se perder
de se trilhar
de se olhar
de se amar
de sonhar
de deixar de procurar
de conhecer
de estabelecer
de convencer
de sofrer
de deixar viver

essa é a minha felicidade

domingo, 30 de janeiro de 2011

balanço

é pequeno botão
é gostar de sofrer
é um sim, é não
é fugir de viver

é amarelo claro
é sorriso escondido
é parada do lado
é polícia e bandido

é pêndulo confuso
é escorrega na praça
é côncavo difuso
é pura e sem graça

é o que eu sempre quis ser
é o que eu sempre escondi de você
é desculpa pra todo perdão
é melodiosamente deitar no chão
pra nunca esquecer


segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

em silêncio

prometo ser teu filtro...
toda sua dor amenizar
e rasgar junto a ti... meu peito
pra que nada sintas e nada temas

prometo te fazer sereno...
com meu gracejo inoportuno
com minhas rimas, minhas preces...

a cada sorriso, te dedicarei dois.

prometo roubar teus pesadelos...
guardar todos embaixo da cama
numa caixa lacrada 
e lá deixar.

prometo te encher de sonhos
com recheio de doce de leite
e cobertura de açúcar derretido
te elogiarei cada vez que você me fitar
e verei tua beleza em mim...

prometo ser teu apoio...
e te manter firme a cada tremor
te darei o braço e ofertarei o peito
na esperança de que aceites
mesmo quando não fazes

pois prometo viver em ti...
em silêncio


quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

suas lágrimas





















ontem...
como que numa dança gostosa...
meu corpo pela rua deserta...
sua benção.

suas lágrimas me lavaram
e me deixaram mais sã... e viva

ontem...
suas lágrimas me lavaram
esfregaram com sabão neutro minhas incoerências
minhas idiotices

me vi completamente encharcada
nos seus olhos marejados
chorando a minha tristeza
e foi assim que...
ontem...
você me salvou.