quarta-feira, 6 de abril de 2011

(quase)





















mais um ano
(quase) concluído
de vitórias e derrotas
entre pedras, tropeços
lamentações
vivi emoções puras
de todas as cores e sabores
e amei todas

(quase) um ano de crescer
de arrancar, sofrer, chorar
menos um apêndice, menos um pedaço
mais susto
menos bagaço

um ano (quase) completo
de puro afeto
de juras, alegrias e amarguras
de promessa cumprida
de amor surpresa
plena beleza
em Gramado
ou no pátio, na casa da mãe
com saliência, com demência
acima de tudo
com verdade.

um ano, (quase)
sozinha e junto
foi tanta coisa
que até me confundo
independência, estranhos amigos
férias românticas
ou solitárias...
qual a diferença?

em um ano, enfim (quase),
de mim

Um comentário:

Aline Calamara disse...

Amei o texto Mari, como amo tudo o que escreve. Você leva jeito para transformar sentimentos em palavras. Tive a oportunidade de acompanhar algumas dessas emoções em sua vida e com isso, posso dizer com toda certeza que tudo de bom que te aconteceu foi merecido. As férias em lugares desconhecidos que te levaram ao amor... Deus realmente escreve certo em linhas tortas... no seu caso, as linhas vêm do sul...rs. Todas as suas mudanças foram boas e visíveis Mari. Só tenhoa te desejar muitas linhas a mais na sua vida, para que possa escrever sobre elas nas linhas do papel.
Beijossssssssssssssss