terça-feira, 2 de abril de 2013

um prato, duas colheres

doce delícia marrom escura
soboreie dura, e mole também.
me abraça nos devaneios
com gosto de parquinho e festa
a boca suja e a língua egoísta
a insaciável vontade
que não me deixa cair

me enche de amor (e calorias!)
me mata de alegria
me completa, me ama, me liberta!

ah, minha doçura discreta...
repleta de memórias
que saudade que eu senti!
pegue um prato, senta aí!
volte, sempre! deixe a porta aberta
para nunca esquecer
que seu lugar é aqui.














(publicado em primeira mão no Coletivo Gourmet)